Projeto da ABDI e Inmetro do Ambiente de Demonstração de Tecnologias para Cidades Inteligentes avança

No dia 05/07, ocorreu o terceiro Workshop do Ambiente de Demonstração de Tecnologias para Cidades Inteligentes, na sede do BNDES, no Rio de Janeiro, promovido pela ABDI. O projeto tem apoio institucional da ASSESPRO.

Durante a abertura do evento, o diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Miguel Nery, destacou a importância do projeto para o ecossistema de indústrias. “Montar um local para testes de tecnologias vai instigar as empresas brasileiras a produzirem tecnologia de ponta. Teremos o benefício da introdução de inovação cada vez mais em nossas fábricas”.

O ambiente de testes está sendo montado pela ABDI em parceria com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). As tecnologias serão colocadas em prática no campus do Inmetro, localizado em Xerém (RJ), sendo que no dia 04/07 um grupo de convidados visitou o local e pode conhecer as instalações mais de perto.

Para o líder do projeto de Cidades Inteligentes da ABDI, Carlos Frees, existe um benefício duplo. “As empresas terão segurança que sua tecnologia funciona e os prefeitos que quiserem tornar a cidade mais inteligente também fazem uma aquisição com eficácia comprovada”.

Infraestrutura

Neste momento, ABDI e Inmetro estão preparando a infraestrutura básica para o funcionamento do projeto. Foram mapeadas necessidades como rede de telecomunicações, capacidade de armazenamento de dados, infraestrutura elétrica, paradas de ônibus entre outras, para as empresas puderem testar. Depois que a infraestrutura estiver pronta, começará a fase de implantação de tecnologias. A empresa interessada vai firmar um contrato com a ABDI e o Inmetro destacando data de instalação e retirada, além do tempo em que a solução vai realizar os testes. Cada iniciativa receberá um relatório com eventuais erros para aperfeiçoamento.

O custo da montagem da infraestrutura é da ABDI e do Inmetro. No primeiro momento, serão investidos R$ 8 milhões. Já as verbas para manutenção e instalação das soluções são de responsabilidade das empresas participantes.

Durante o workshop, os participantes puderam conhecer as especificações do projeto. Foram selecionadas 35 soluções para os testes iniciais, sendo que as primeiras colocadas à prova serão de iluminação inteligente e mobilidade urbana.

Também fez parte das discussões o debate sobre segurança cibernética. Toda tecnologia instalada vai passar por uma classificação de risco. “São quatro níveis de segurança e eles têm a ver com o risco de vida. A pergunta norteadora é: caso aquela tecnologia falhe, ela coloca vidas em risco ou não?”, explicou Jonny Doin, que integra o consórcio responsável pelo desenvolvimento do projeto. Ele ainda apontou que as tecnologias devem trabalhar com o conceito de falha segura. “Em caso de um ataque cibernético, a tecnologia deve estar preparada para diminuir os estragos produzidos”. Os conselheiros consultivos da ABDI/Inmetro, foram Regiane Relva Romano, da Facens, e Rosendo Correa Perez,  consultor e empresário, também falaram no evento sobre cidades inteligentes a serviço da população e infraestrutura, respectivamente.

Até o momento, 135 empresas se inscreveram para testar no ambiente. As primeiras validações de tecnologia devem acontecer em 2019. Empresas interessadas ainda podem inscrever-se no site cidadesinteligentes.abdi.com.br.