Iniciativas da ABDI para Cidades Inteligentes são apresentadas em Brasília

Projeto Vem DF foi tema de audiência na Câmara dos Deputados, enquanto Fórum debateu certificação dos municípios

Algumas cidades brasileiras se movem para incorporar as tecnologias digitais e assim melhorar os serviços, a qualidade de vida das pessoas e promover iniciativas sustentáveis. Inovações como Internet das Coisas, Big Data e Inteligência Artificial vão alterar o modo de vida urbano. Brasília passou a contar com uma iniciativa na direção das chamadas Cidades Inteligentes com o compartilhamento de veículos elétricos na frota pública.

Em audiência na Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (28), o presidente da ABDI, Igor Calvet, destacou a importância do projeto Vem DF, uma parceria entre a Agência, o Parque Tecnológico de Itaipu (PTI) e o Governo do Distrito Federal. “No mundo há uma corrida tecnológica na indústria automotiva que aponta para três tendências. Os carros compartilhados, hoje a propriedade não é mais tão ambicionada, a segunda tendência são as novas formas de propulsão de veículos, dentre elas a elétrica, e a terceira grande tendência é o uso de veículos autônomos. E neste projeto, trabalhamos com duas destas tendências, carros elétricos e compartilhados”, apontou Calvet.

O Vem DF conta com 16 carros elétricos do modelo Twizy, da marca Renault, cedidos pela ABDI em forma de comodato para o governo local. Eles contam com uma tecnologia embarcada, o software MoVe, desenvolvido pelo PTI para o compartilhamento dos veículos. Ainda serão instalados 35 eletropostos (pontos de recarga) de uso coletivo.

Igor Calvet destacou as vantagens da eletromobilidade, como redução de custos, baixo gasto de energia e menor impacto ambiental. “O consumo de um veículo elétrico é equivalente ao de um ar condicionado residencial. O que demonstra que o custo de energia por veículo é pequeno, principalmente se compararmos ao custo energético na propulsão de veículos a combustão”.

De acordo com dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), apenas 0,03% da frota brasileira é de veículos elétricos ou híbridos, o que corresponde a dez mil carros. Em comparação a 3,1 milhões que circulam no mundo. A Noruega chega a ter 6,4% de sua frota composta por elétricos.

“Há alguns anos estive na China e pude conversar com a minha contraparte no governo chinês e ele disse que em 2022 eles produziriam algo em torno de três milhões de veículos elétricos. Isso representa a capacidade total do nosso parque produtivo, não só de elétricos. Portanto, é muito importante este movimento que estamos realizando”, disse Calvet.

Certificação

Brasília recebeu, também nesta quinta-feira, o I Fórum Nacional para Certificação de Cidades Inteligente. O objetivo é apresentar o processo de certificação ISO 37120 e levar conhecimento para gestores municipais. “A certificação é importante para medir e monitorar os serviços públicos dos municípios”, explica Vandete Mendonça, da coordenação de Difusão Tecnológica da ABDI. Ela mediou o painel “Tecnologias aplicadas às Cidades Inteligentes”, durante o Fórum.

A ABDI e o PTI tem um convênio para manter um Laboratório Vivo, espaço para demonstração e avaliação de soluções tecnológicas para as Cidades Inteligentes, em Foz do Iguaçu (PR). No espaço, coabitam empresas, universidades e centros de pesquisa, com uma movimentação diária de nove mil pessoas e 1,5 mil veículos.

Fonte: ABDI.