Grupo Positivo lidera ranking de registros de marcas no Paraná

Paraná é o quarto estado com maior registros de marcas de serviços de TI

Os pedidos de registro de marcas de serviços de TI junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) são o tema de junho do projeto Insights Report: Panorama do Setor de Tecnologia da Informação 2018, realizado pela Assespro-PR em parceria com o Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Os números são referentes ao ano de 2017.

A análise de dados aponta o grupo Positivo como líder no ranking das onze maiores depositantes de registro de marca de serviços de TI no Paraná, com oito pedidos em 2017. Tais depositantes atuam em diferentes ramos de serviços, como por exemplo: administrativo, trânsito, realidade virtual, varejo e imobiliário, segmentos que incorporam a TI. Confira na tabela abaixo:

O professor do Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná, Victor Manoel Pelaez, explica que a adoção dessa modalidade de propriedade intelectual pode ser considerada uma proxy da atividade econômica no ramo de serviços de TI, tanto pela quantidade de pedidos, quanto pela diversidade de segmentos nos quais as empresas registrantes atuam.

É importante salientar que o INPI adota a Classificação Internacional de Produtos e Serviços de Nice (NCL, na sigla em inglês), que possui uma lista de 45 classes com informações sobre os diversos tipos de produtos e serviços e o que pertence a cada classe. Desta forma, para dar entrada em um pedido de registro de marca no INPI, o depositante deve indicar os ramos de atividade com seus respectivos segmentos, nos quais a marca deverá ser reconhecida e a identificação das atividades é estabelecida pelo Código de Nice. 

Foram identificados cerca de 174 mil pedidos de registro de marcas no ano de 2017, dos quais cerca de 8600 pedidos estão classificados no código 42 de Nice, cuja especificação envolve os serviços científicos, tecnológicos e industriais. Nesta categoria, 6150 pedidos possuem aplicação atribuída às atividades do ramo de serviços de TI. Vale ressaltar que, deste total de pedidos, o Paraná é o quarto maior depositante com uma participação de 7%.

O diretor presidente da Assespro-PR, Adriano Krzyuy, aponta que os serviços de marcas estão generalizados entre os serviços de TI. Para ele, este fato é considerado como um vetor tecnológico transversal a todos os setores e ramos de atividade. “Em relação a posição do estado, não podemos negar que há uma oscilação se compararmos todos os boletins realizados até agora, o que nos mostra que o setor de TI, tanto no Paraná como nos demais estados, está em constante evolução e amadurecimento”, explica.

Em nível nacional, em 2017, 78% dos pedidos de registro de marcas foram depositados por residentes. Dentre esses pedidos, as Empresas foram responsáveis por 71% do total, seguidas por Pessoas Físicas (26%) e as ICTs com uma participação pequena (1%). A categoria Outros, é entendida como: associações de classe, sindicatos, organizações sociais e entidades religiosas. Os pedidos não residentes incluem aqueles oriundos de diversos países.