Dificuldade em construir bons projetos na área tech engessam liberação de R$ 3 bi no Paraná

Semana de Inovação vai apontar soluções para que, quem tenha boas ideias, saiba por onde começar

Três bilhões de reais estão parados nos cofres do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) pela falta de projetos. A informação foi compartilhada pelo vice-presidente da entidade, Wilson Bley, durante solenidade realizada no Palácio Iguaçu, para o lançamento da terceira edição da Semana de Inovação do Paraná, evento marcado para acontecer de 4 a 8 de outubro, em ambiente gratuito e virtual.

“Temos esse recurso e também a dificuldade para emprestá-lo aos municípios, especialmente aos pequenos, por não conseguirem exercer bons projetos, ou de fazer uma boa licitação, de fazer um bom termo de referência, por exemplo, ou simplesmente porque eles não têm projetos”, disse. O BRDE é considerado um dos “anjos” – termo usado no ambiente do empreendedorismo para identificar quem investe em novas ideias –, isto é, pode fazer investimento e ser usado por quem tem boas propostas na área de inovação, mas não dispõe de capital. Contudo, se não houver uma boa fundamentação, o Banco recua e o dinheiro não vem. “É algo que deve ser discutido efetivamente. O BRDE também tem esse compromisso, de não apenas emprestar dinheiro, mas também de ajudar na criação de políticas públicas. Queremos um Paraná extremamente pujante”. Na prática, isso significa que, embora o estado seja destaque nacional em desenvolvimento tecnológico, ainda há espaço para crescimento, seja no aprimoramento das boas ideias ou lapidando a construção delas.

Dessa forma, tornar a inovação mais palpável, inclusive tratando de algumas dores – como é o caso dos projetos faltantes –, é uma das grandes propostas da terceira edição da Semana de Inovação do Paraná. O evento é uma organização do Governo com parcerias, entre elas, com a Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-PR), entidade que assina o Assespro Innovation Day. “Somos o quarto estado no Brasil em quantidade de empresas de desenvolvimento de software, porém, o sétimo em faturamento. A Semana vai nos permitir apresentar, para o Brasil e para o mundo, as inovações e as soluções desenvolvidas aqui no Paraná”, apontou Lucas Ribeiro, presidente da Assespro-PR, mostrando admiração pelo trabalho que o Governo vem realizando. “O Paraná é um celeiro de boas ideias e de inovação de ponta, quando o tema é tecnologia, o Governo do Paraná tem se mostrado um excelente parceiro e incentivador, o que também atrai fundos e investidores para cá”, destacou.

Marcelo Rangel, superintendente de Inovação, lembrou que o Paraná é o estado mais inovador do Brasil e que agora é preciso “colocar os produtos na vitrine”. “Começamos um novo ciclo, tratando a inovação sob a ótica do empreendedorismo. Precisamos trabalhar com qualificação, aumentando as oportunidades, os postos de trabalho. Nessa terceira Semana de Inovação vamos trabalhar muito esse tema. Vamos produzir Nota Fiscal! O ciclo começa lá na universidade, mas podemos ter a inovação lá entre as pessoas humildes, que produzem algo diferente”, disse. De novo, a aplicabilidade dos projetos inovadores foi pauta. “Precisamos tratar da desburocratização desse tema. De que adiante termos projetos espetaculares, de prêmios, mas o projeto ainda estar no papel?”, pontuou Rangel.

Dando exemplo de como é possível fazer a inovação “caminhar”, o superintendente de Ciência e Tecnologia, Aldo Bona, trouxe comparativos. Segundo ele, em 2019, havia 600 pedidos/registros de patentes nas sete universidades estaduais, mas nenhuma delas transformadas em negócios. Era um ativo tecnológico, só que sem avanços. “Concedemos um programa, na época, que logo atingiu seu objetivo: as cinco ideias premiadas já estão em fase de licenciamento para virar produto”, contou, citando um pouco da dinâmica do Programa de Apoio à Propriedade Intelectual com Foco no Mercado (Prime). “Precisamos não só da tecnologia na educação, mas da formação para o uso da tecnologia no geral. Isso se conecta a uma ideia de formação mais empreendedora que possa estimular nosso estudante a ter a perspectiva de que, mais do que trabalhar como empregado, ele possa gerar riquezas, oportunidades e ajudar o desenvolvimento”.

 

INNOVATION DAY

A Semana de Inovação, prevista para acontecer anualmente pela Lei Estadual 19.966/2019, será virtual e gratuita. A iniciativa busca engajar o ecossistema de tecnologia paranaense e será realizada de 4 a 8 de outubro. Serão dois eventos on-line e gratuitos – o Viasoft Connect e o Assespro Innovation Day –, ambos com o objetivo de fomentar a discussão sobre o tema para contribuir com o desenvolvimento socioeconômico estadual.

Nos dias 4 e 5, será realizado o Assespro Innovation Day. O evento promove palestras das 9 às 13 horas. A programação tem como atração ícones da área, como o pesquisador e especialista em tecnologia, Tony Ventura, e Dave Mosby, investidor-anjo no Vale do Silício.

“O evento vai destacar as principais iniciativas, tanto soluções para empresas públicas, como privadas, que já estão tendo sucesso ou que ainda estão nascendo. É um importante momento para comprovarmos a liderança do Paraná em termos de inovação, empreendedorismo e desenvolvimento de startups”, diz o presidente da Assespro-PR, Lucas Ribeiro.

 

PARCEIROS

A organização da Semana de Inovação conta com o patrocínio da Fomento Paraná, da Celepar, do Senac e da OBr.Global. Apoiam o evento, também, o Sebrae, o Tecpar, o Lactec e a Universidade Federal do Paraná (UFPR). Para o time, estar participando de um evento com histórico de apoio à área tech, é motivo de orgulho.

Weliton Perdomo, coordenador estadual de Inovação do Sebrae-PR; Lucas Ribeiro, presidente da Assespro-PR e CEO do ROIT BANK; e o superintendente de Inovação do Paraná, Marcelo Rangel, no lançamento da 3ª Semana de Inovação do Paraná.

Fonte: Jornale