Cidades Inteligentes são tema de debate em parceria com o MCTIC

Com duração de dois dias, o evento irá produzir a Carta Brasileira para Cidades Inteligentes, contendo uma visão consolidada e diretrizes para o setor

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) participou nos dias 27 e 28 de agosto de um processo colaborativo para a elaboração da Carta Brasileira para Cidades Inteligentes. O evento foi organizado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), apoiado pelo Projeto ANDUS (Apoio a Agenda Nacional de Desenvolvimento Urbano Sustentavel), fruto da cooperação técnica Brasil-Alemanha, e em parceria com o MCTIC e com o Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Um dos principais desafios para a melhoria da qualidade de vida urbana passa pela transformação digital. Serviços digitais são cada vez mais presentes na infraestrutura das cidades, e o tema de Cidades Inteligentes tem sido muito discutido. O objetivo da Carta é consolidar uma visão nacional sobre o tema, numa perspectiva convergente de uso responsável e inovador da transformação digital para um desenvolvimento urbano sustentável e inclusivo. O documento também orientará políticas públicas, linhas de financiamento e ações estratégicas nas diferentes escalas de governo, oferecendo oportunidades para que os entes federados desenvolvam projetos alinhados às políticas setoriais e a essa visão comum.

O secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Menezes, em seu discurso na abertura do evento, destacou que o trabalho do ministério nessa área vem sendo desenvolvido desde 2012, com o programa Cidades Digitais, que instalou infraestrutura de fibra ótica em 146 cidades, oferecendo conexão gratuita a hospitais, prefeituras, escolas e outras estruturas públicas urbanas. O programa, no entanto, está sendo revisto sob uma nova perspectiva.

“Percebemos que é melhor oferecer serviços do que infraestrutura, porque muitas vezes as cidades não tem capacidade de operar e fazer manutenção dos sistemas,” disse. O secretário citou a publicação da Estratégia Nacional para Transformação Digital como referência para políticas públicas no setor, capitaneada pela Casa Civil e com o MCTIC atuando como secretário-executivo. A Estratégia prevê 100 ações, muitas das quais já foram implementadas, como o Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT).

“O Plano prevê quatro áreas prioritárias: Saúde, Agropecuária, Indústria e Cidades Inteligentes,” lembrou o secretário. “Cidades Inteligentes estão contempladas em um projeto de Estado que abrange todos os entes da Federação.” O Plano Nacional de IoT prevê a criação de quatro câmaras –Agro e Indústria 4.0 já foram criadas – que irão coordenar os esforços do Plano nas áreas. “Para a criação da Câmara de Cidades 4.0, somos irmãos do MDR para cooperar nesse grande desafio de ter um país com cidades que tragam maior qualidade de vida para as pessoas.”

A primeira oficina para a elaboração da Carta Brasileira para Cidades Inteligentes é parte de um processo colaborativo, com duração prevista de aproximadamente um ano, ao longo do qual estão programadas mais duas oficinas. Além de construir uma plataforma de diálogo entre os principais stakeholders e um mecanismo de cooperação, as oficinas irão estabelecer uma convergência entre desenvolvimento urbano sustentável e a transformação digital.

Além do secretário de Telecomunicações do MCTIC, participaram da abertura a secretária de Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Adriana Alves, e o Encarregado de Negócios da Embaixada da Alemanha, Marc Bogdahn.

Confira as fotos do evento clicando aqui.

Fonte: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovaçoes e Comunicações.