Assespro-PR divulga boletim com dados sobre registro e depósito de patentes de software embarcado no Brasil

Estudo revela grande tendência de pedidos de patentes em áreas ligadas à internet das coisas, ao processamento de dados em grande escala (big data), software e à inteligência artificial.

Já está disponível o boletim informativo de março que aborda o mercado de tecnologia no Brasil, realizado pela Assespro-PR em parceria da UFPR. Nesta edição, são apresentados dados e informações sobre “patentes com software embarcado”.

Publicado em forma de Insight Reports, o boletim faz parte de um série mensal publicada pela entidade cujo intuito é trazer uma análise conjuntural do setor de tecnologias de informação e comunicação (TIC).

Em temas que abordam o comércio internacional; as receitas em âmbito nacional; o mercado de trabalho no Brasil e no Paraná, além da adoção de dispositivos de propriedade intelectual (marcas, registros de software e patentes com software embarcado).

Insight Report Março.2020 apresenta indicadores de depósitos e de concessões de patentes de invenção e de modelo de utilidade, com software embarcado, no Brasil, registrados no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI).

Um software embarcado é um programa de computador que funciona especificamente em um tipo de máquina industrial, controlando tais máquinas ou dispositivos que não são geralmente consideradas como computadores.

Número de depósitos de registro de patente

Entre 2011 e 2016, o INPI recebeu 5.388 depósitos de patentes de invenção e modelo de utilidade, com software embarcado, sendo concedidos 40 patentes de invenção e 16 de modelo de utilidade.

O ápice de depósitos ocorreu no ano de 2013, com 1.078, sendo observado uma queda nos anos subsequentes. Porém, o relatório mostra que nos anos de 2015 e 2016 houve uma aumento nos pedidos de depósitos por partes de residentes no Brasil, aparentemente um reflexo do aumento de startups na área de TIC no cenário nacional, já que normalmente essas empresas acabam desenvolvendo instrumentos de propriedade intelectual.

Dentre os países estrangeiros, os Estados Unidos foram responsáveis por 30% do montante de depósitos, seguidos de Suécia (5%), China (5%) e França (4%).

Destacam-se a empresa Qualcomm Incorporated, dos Estados Unidos, com 194 depósitos, a Scania CV AB, da Suécia, com 66, e a chinesa Huawei Technologies Co. Ltd., com 50 depósitos. Dentre as empresas brasileiras, a que mais fez pedido de patente para software embarcado foi o CPQD, fundação situada em Campinas, no interior de São Paulo, com 15 depósitos.

Estados e Universidades

Nos estados e distrito federal, São Paulo foi o campeão de depósitos, com 238. O Estado do Paraná foi o 5º colocado na lista, com 51 depósitos entre 2015 e 2016.  A Associação Paranaense de Cultura (APC) apresentou 3 depósitos, assim como a Universidade Federal do Paraná (UFPR). A UTFPR apresentou 2 depósitos figurando também entre as instituições paraenses que mais pediram depósito de patente.

Principais Produtos: IoT, Big Data e I.A.

A Classificação Internacional de Patentes (IPC) revela a predominância da área de Sistemas ou Métodos de Processamento de Dados, com 12% dos pedidos, seguido pela área de Processamento Eletrônico de Dados Digitais (11%) e de Redes de Comunicação Sem Fio (10%).

“Existe uma grande tendência de pedidos de patentes em atividades ligadas à internet das coisas (IoT), ao processamento de dados em grande escala (big data) e à inteligência artificial (I.A). Todas essas áreas tem mercado muito aquecido e muitas pesquisas e desenvolvimento estão sendo financiados, o que colabora também para o desenvolvimento de novos produtos e suas respectivas patentes”, conclui Adriano Krzyuy , presidente da Assespro-PR.

Para acessar aos Insight Reports 2020 em sua forma completa, basta acessar o site da Assespro-PR em  https://www.assespropr.org.br/insights-report-2020/.