Acelerador de partículas coloca o Brasil na fronteira do conhecimento científico

A primeira etapa do projeto Sirius foi entregue nesta quarta-feira (14), em Campinas (SP), em cerimônia com a participação do presidente Michel Temer. Para o ministro Gilberto Kassab, acelerador coloca o país na “pole position” da ciência mundial.

Com a presença do presidente da República, Michel Temer, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, inaugurou nesta quarta-feira (14) a primeira etapa do Sirius, o novo acelerador de elétrons do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP). Iniciado em 2012, o Sirius é o maior projeto da ciência brasileira, uma infraestrutura de pesquisa de última geração, estratégica para a investigação científica de ponta e para a busca de soluções para problemas globais em áreas como saúde, agricultura, energia e meio ambiente. Será um laboratório aberto, no qual as comunidades científica e industrial terão acesso às instalações de pesquisa.

“Este é o verdadeiro exemplo da união em favor de uma nação. Um projeto de Estado, que transcendeu governos e agora nos coloca na dianteira da ciência mundial. Feito totalmente por brasileiros, para o bem dos brasileiros. Tenho orgulho e me sinto honrado em participar”, disse Kassab.

Ele comparou a busca pelo conhecimento científico a uma corrida de automóveis, onde “cada ano um país está na frente”. “Com esta inauguração, o Brasil, inquestionavelmente, conquista a pole position do mundo das pesquisas.”

Luz síncrotron

O Sirius compreende um grande equipamento científico, composto por três aceleradores de elétrons, que têm como função gerar um tipo especial de luz: a luz síncrotron. Essa luz de altíssimo brilho é capaz de revelar estruturas, em alta resolução, dos mais variados materiais orgânicos e inorgânicos, como proteínas, vírus, rochas, plantas, ligas metálicas e outros. Esta primeira etapa abrange a conclusão das obras civis e a entrega do prédio que abriga toda a infraestrutura de pesquisa, além da conclusão da montagem de dois dos três aceleradores de elétrons. O terceiro acelerador – e também o principal deles – está em processo de montagem.

Construído com tecnologia 100% nacional, o Sirius “levanta a autoestima do brasileiro, em especial, da ciência brasileira”. “Ganha o Brasil. Ganha o Brasil na medicina, na agricultura e em qualquer segmento que seja ser analisado no campo da pesquisa e da ciência com esse equipamento”, ressaltou Gilberto Kassab.

Orçado em R$ 1,8 bilhão, o projeto é financiado pelo Ministério de Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Até agora, cerca de R$ 1,12 bilhão foram repassados para o Sirius, sendo R$ 282 milhões em 2018. “Gostaríamos de agradecer o apoio fundamental do presidente Temer para que pudéssemos chegar a este momento”, acrescentou o ministro.

O Sirius ficará abrigado em um prédio de 68 mil metros quadrados (equivalente a um estádio de futebol). Sua estrutura foi projetada e construída para atender padrões de estabilidade mecânica e térmica sem precedentes. No Sirius, a demanda por estabilidade e prevenção de vibrações demandou um piso constituído de uma única peça de concreto armado, de 90 cm de espessura e com precisão de nivelamento de menos de 10 milímetros. A temperatura na área dos aceleradores não poderá variar mais que 0,1 grau Celsius.

“Estamos presenciando um Brasil que avança a passos largos. É um país que passa a integrar o seletíssimo grupo de países que dispõe de um acelerador de elétrons de quarta geração.  É também a prova cabal de brasileiros e brasileiras que se dedicam dia e noite a colocar o Brasil na fronteira do conhecimento”, afirmou o presidente Michel Temer, durante a cerimônia em Campinas.

“Realmente, é um equipamento que passa a ser uma referência para todos os cientistas do mundo. Aqui, isso significará avanços notáveis em todos os campos possíveis”, comemorou Kassab.

Fonte: MCTIC.