5 estratégias de negócios para liderar a transformação digital

Líderes de RH têm novos desafios com seus colaboradores

Sessenta e sete por cento dos líderes empresariais concordam que suas empresas devem se tornar significativamente digitalizada até 2020 para se manter competitiva e, por isso, estão procurando líderes de RH para liderar essa transformação, de acordo com o Gartner.

Os CEOs estão compartilhando seu foco na digitalização com seus investidores. As menções da palavra “digital” nas chamadas de ganhos aumentaram 20% ano a ano desde 2010. Além disso, os líderes estão buscando maneiras de manter os custos baixos, enquanto obtêm ganhos em eficiência e produtividade. Exatamente por isso, a função de RH deve liderar os esforços de transformação digital em suas organizações.

“Conforme mais organizações se tornam mais digitais em suas operações, os departamentos de RH enfrentam um grande desafio: não apenas precisam liderar a transformação digital de sua empresa e satisfazer os desejos do CEO, mas também atender às demandas dos funcionários que os esforços de digitalização forneçam uma melhor experiência para eles”, disse Brian Kropp, vice-presidente do grupo de prática de RH do Gartner.

Para liderar a transformação digital, o Gartner identificou cinco macroestratégias:

  1. Atrair mais candidatos digitais
  2. Obter melhores informações sobre os funcionários
  3. Gerentes de coaching para desenvolver as capacidades digitais de suas equipes
  4. Melhorar a tecnologia para impulsionar o autoatendimento dos funcionários no trabalho
  5. Gerenciar o desempenho em evolução

Entender as expectativas dos funcionários é fundamental, dada a situação do mercado de trabalho, que inclui diminuição do esforço dos colaboradores em meio a alguns dos menores números de desemprego na história recente de alguns países.

De acordo com a pesquisa do Gartner, o número de funcionários que está disposto a ir além do cumprimento do dever no local de trabalho diminuiu significativamente, tanto globalmente quanto na América do Norte. No terceiro trimestre do ano, apenas 17% dos funcionários da América do Norte relataram altos níveis de esforço discricionário, ante 26% em 2013. Globalmente, apenas 14% dos funcionários relataram altos níveis de esforços discricionários no 3T18, seis pontos percentuais a menos que em 2013.

“A taxa de desemprego nos EUA foi de 3,8% no terceiro trimestre de 2018 e os do Reino Unido não foi muito superior com 4%, indicando mercados de trabalho que são os mais apertados que  já estiveram em algum tempo”, disse Kropp. “Para a maioria das organizações, o talento é a maior despesa indireta e a maior vantagem competitiva. Como tal, os chefes de RH estão sob extrema pressão para cumprir a promessa do que a digitalização tem a oferecer, tanto em termos de experiência de negócios como de funcionários.”

Fonte: ITF 365.