Produto desenvolvido em incubadora de Pato Branco é destaque na Campus Party

 

Empresa incubada participa como convidada e palestrante do maior do maior evento de inovação tecnológica, internet e entretenimento eletrônico do Brasil.

Uma ideia, uma inovação que promove inclusão com o conceito da tecnologia assistiva, destacou uma startup de Pato Branco durante a Campus Party Brasil 2014, realizada de 27 de janeiro a 2 de fevereiro, em São Paulo. O software destinado a smartphones e tablets, desenvolvido na Incubadora Tecnológica de Pato Branco (ITECPB) pela empresa Inasoft atraiu atenções de acadêmicos, pesquisadores e investidores.

Na mesa-redonda “Tecnologia Assistiva: Interface interativa de comunicação”, o produto desenvolvido no sudoeste do Paraná ganhou notoriedade e foi debatido por diversos profissionais e especialistas da área. A participação dos jovens empreendedores Lucas Padilha Gois e Bruna Francieli Kwiatkovski, sócios-proprietários da empresa incubada, aconteceu no dia 31.

A mesa-redonda, que também foi transmitida ao vivo pelo YouTube, mostrou as perspectivas que a chamada “tecnologia assistiva” pode oferecer a pessoas com necessidades especiais, principalmente para quem apresenta algum tipo de limitação na fala.

“Trocamos experiência com outros profissionais da área e tivemos acesso a novas tecnologias. Também ganhamos visibilidade e mostramos o nosso trabalho para grandes empresas, como foi o caso da Telefônica/Vivo. Isso nos deu ainda mais respaldo, mostrou a seriedade do nosso projeto”, conta Lucas.

O aplicativo com mais de 100 ícones possibilita que, com um toque, a pessoa consiga indicar fome, sede, sentimentos, entre outros. A ideia é atender pessoas com limitações provisórias ou permanentes. A Campus Party, além de reiterar a viabilidade do projeto criado em Pato Branco, também ampliou as perspectivas dos idealizadores.

“Os profissionais da Campus Party confirmaram a viabilidade do nosso projeto e ainda disseram que podemos beneficiar pessoas com alzheimer, pois a nossa tecnologia envolve sentido e palavra, ícone e significado, o que pode contribuir na relação pessoal de quem tem a doença, pois em alguns casos a pessoa associa a imagem e esquece palavra”, explica Lucas.

Início

Quando Bruna, estudante de Sistemas da Informação no Instituto Federal do Paraná (IFPR) – campus de Palmas, convidou o amigo Lucas, egresso do mesmo curso, para criar a Inasoft, tinha como objetivo desenvolver um software que beneficiasse pessoas com dificuldades na fala. Bruna teve o desejo ao acompanhar a recuperação do pai, que em virtude de um tumor cerebral perdeu a voz.

O produto, em fase de conclusão, será inserido no mercado ainda neste semestre. “Nossa ideia é levarmos essa tecnologia para entidades como a APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), para auxiliar as crianças e adolescentes. Vamos disponibilizar uma versão mais básica para download gratuito na internet e comercializaremos a versão completa”, adianta Lucas.

Inseridos na Incubadora Tecnológica de Pato Branco (ITECPB), os jovens empreendedores ganharam a infraestrutura necessária para tirar a ideia do papel e viabilizar a empresa. “Tínhamos o domínio da tecnologia, mas não da área administrativa. Recebemos muitas horas de treinamento sobre o gerenciamento da empresa, planejamento e marketing do nosso negócio, o que fez toda a diferença”, pondera Lucas.

Destaque com mérito

Para Gilcindo de Castro Correa Neto, gestor do Projeto de Tecnologia da Informação (TI) do Sebrae no sudoeste paranaense, o desempenho da empresa nascente no evento deixa evidente o trabalho desenvolvido pelos jovens empreendedores dentro da incubadora.

“Os dois empreendedores sempre participaram com dedicação dos processos de aprendizado dentro da incubadora, como na formatação do plano de negócios e consultorias, por exemplo. Isso, aliado à ideia do produto, chamou atenção dentro do maior evento de startups e inovação do Brasil”, analisa.

Para o diretor do Departamento de Incubadoras, Difusão e Popularização da Tecnologia de Pato Branco, Lucio Paulo Nunes, a participação foi uma amostra de que a região tem capacidade de criar novas startups.

“O produto desenvolvido pela Inasoft, e apresentado no maior evento de tecnologia do País, mostra que os talentos de Pato Branco e do sudoeste do Paraná podem desenvolver produtos e criações competitivas para qualquer mercado, com qualidade e alto grau de inovação tecnológica”, comenta.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pato Branco, Aldair Rizzi, destaca também a participação da empresa incubada como palestrante do evento. “Tivemos neste fato a representação clara do reconhecimento da qualidade do programa de empreendedorismo e incubação desenvolvido pelo Município. Esta participação da Inasoft só foi possível a partir da abertura dada pela Inventum (I Feira de Tecnologia de Pato Branco), que propiciou a troca de informação e a inserção de Pato Branco no contexto nacional e internacional de inovação”, conclui.

Fonte: Sebrae/PR