Paraná em modelo exportação

 

Concurso promovido pelo Reino Unido escolhe dez empresas brasileiras de tecnologia para oportunidades de negócio fora do país.

Agora restam seis vagas. O empreendimento que vai representar o Paraná na segunda edição da competição da UK Trade & Investment (UKTI), braço comercial da embaixada do Reino Unido no Brasil, foi escolhido ontem, na fase regional de seleção. A empresa 4 Security, de Curitiba, e outras três cariocas – Meu Peludo, Crowdmobi e System Haus, selecionadas no Salão de Inovação do Rio de Janeiro, realizado no ano passado –, estão entre as dez empresas brasileiras que embarcam para Londres, em maio.

Os empreendedores brasileiros terão contato com centros de excelência em tecnologia e empreendedorismo, como o Tech City, polo tecnológico londrino, que atualmente hospeda 1,4 mil empresas, desde startups até gigantes do setor, como Google, Facebook, Intel e Twitter.

A UKTI está presente em 35 países. Defende interesses de empresas britânicas no exterior e dá apoio à atuação de empresas estrangeiras naquele país. “O Brasil é o único país da América Latina em que temos esse foco em novos talentos muito desenvolvido”, explica Raquel Kibrit, gerente de investimentos do UKTI no Brasil, com sede em São Paulo.

A fase regional foi aberta a projetos do Paraná e Santa Catarina. Onze empresas paranaenses foram selecionadas entre mais de 40 inscrições. Ontem, cada uma teve de 5 a 10 minutos para pleitear a vaga para a banca avaliadora.

Hoje, o evento ocorre em Campo Grande (MS). A lista final de empresas brasileiras selecionadas será divulgada no dia 14 de março.

No ano passado, a competição foi limitada às startups. Cinco empresas participaram do Digital Shoreditch Festival, realizado no centro da Tech City, um equivalente ao Vale do Silício do Reino Unido. Desde então, duas empresas estão concretizando suas operações por lá. A Doctor Fun, vencedora da edição de 2013 como Fisiohub, de Recife, cria produtos na área de gameterapia e agora participa de outro programa oficial do governo britânico para aceleração de desenvolvimento. Em maio, a gaúcha BossaLab, antiga Toda Bossa, especializada em design e venda de produtos sustentáveis, muda-se para o Reino Unido e também está envolvida em programas de fomento.

Em 2014, os empresários brasileiros vão participar do Rio Info Europa, um encontro entre clientes e investidores da área de TI com o objetivo de fortalecer a atuação de empresas brasileiras de tecnologia no cenário internacional. O evento é liderado pela empresa RioSoft, parceira do UKTI, e ocorrerá no mês de maio nas cidades de Londres e Manchester.

De olho na Scotland Yard

Vencer a competição da UK Trade & Investment vai antecipar os planos de André Camargo e Herbert Morini, sócios da 4 Security. A ideia de internacionalizar a empresa especializada em soft­ware de análise de dados com ênfase em segurança faz parte do desenvolvimento estratégico da dupla. “Estamos prontos para operar fora do país. Seriam os Estados Unidos, mas agora o Reino Unido está mais perto”, diz Camargo.

A proposta de operar a partir de Londres para ganhar o mercado europeu e asiático, com 27 postos de trabalho e geração de inteligência na sociedade britânica convenceu os jurados da competição. “Iríamos cedo ou tarde. Vai ser mais cedo”, comemoram os sócios.

Camargo e Morini são amigos de infância. Têm formação em Tecnologia da Informação e tornaram-se sócios há pouco mais de sete anos, com a formatação do programa que hoje é usado no cruzamento de dados das polícias do Paraná e dezenas de outros grandes clientes, públicos e privados.

“Temos condições de avaliar dados de um indivíduo cruzando todas as informações disponíveis sobre ele que estiverem na rede. Vale para a polícia, vale para empresas e políticos”, explica Camargo.

Chance única

Entre as concorrentes da fase no PR e SC, empresas de diferentes portes e segmentos tiveram a oportunidade de defender seus projetos. “É a chance de mostrarmos a nossa produção aqui e como estamos conectados com o mercado internacional”, observa Sandro Molés, presidente da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Assespro-PR).

A Silcom, de Curitiba, especializada em soluções em TI e com 17 anos de mercado, foi a segunda colocada com a ferramenta Carga Máquina, criada para otimizar processos de chão de fábrica.

“Independentemente do resultado, participar da competição é um desafio para qualquer empresa, e certamente traz vantagens para ambos os países, por causa da troca de experiências. Também ajuda a mostrar que temos uma produção de qualidade fora do eixo Rio-São Paulo”, diz Anderson Moraes, presidente da Silcom.

Festas e baladas

Projetos adequados ao mercado internacional também disputaram a atenção dos jurados. O aplicativo Friday, da equipe de Fabrício Toledo, de 17 anos, de Curitiba, foi desenhado a partir das pesquisas realizadas para a inscrição na prova e levou o terceiro lugar na classificação regional.

O app traz a agenda de festas e baladas locais, alimentada pelas casas noturnas da região, com planos a partir de R$ 199 por mês. O usuário acessa o conteúdo gratuitamente. “Chegamos a esse modelo depois de desenvolver outro aplicativo, voltado a grupos comerciais. O segmento de festas teve maior aceitação e desenvolvemos o projeto adaptado ao mercado britânico, que sofre uma crise provocada por falta de comunicação. Identificamos a oportunidade e apostamos no Friday”, diz o jovem empreendedor.

OUTRA SELEÇÃO

Maratona de aplicativos móveis da Microsoft busca startups brasileiras

Até dia 10 de março, startups brasileiras podem se inscrever para o Mobile App Aceleration Camp (MAAC), maratona de desenvolvimento de aplicativos móveis promovida pela Microsoft. O objetivo é apoiar aplicativos voltados ao consumidor final, como jogos e outros que possam ser traduzidos para outros idiomas e ter alcance global. A seleção será dias 19 e 20 de março, na sede da empresa, em São Paulo.

Os selecionados serão submetidos ao App Campus, programa de financiamento e aceleração oferecido pela Microsoft e pela Nokia na Universidade de Aalto, na Finlândia. As escolhidas para desenvolvimento de apps para Windows Phone também vão receber, cada uma, 20 mil euros. O treinamento na Finlândia dura um mês e todas as despesas serão pagas pela Microsoft. As inscrições para o MAAC podem ser feitas no link https://eventus.wufoo.eu/forms/maac-mobile-app-acceleration-camp/.

Essa é a segunda edição brasileira da MAAC. Na primeira oportunidade, das 18 startups participantes, cinco foram selecionadas para o projeto: Qranio, Stayfilm, FunSounds, DWP e 2Minds Development.

Fonte: Anna Paula Franco / Gazeta do Povo