Encontro de APLs revisa planejamento estratégico do setor de TIC do Paraná

Em dois dias de reuniões na cidade de Londrina, empresários dos seis Arranjos Produtivos Locais de Tecnologia da Informação e Comunicações do Paraná revisaram o planejamento estratégico do setor e reafirmaram o compromisso de trabalhar em equipe dentro da Rede Estadual de APLs de TIC.

Na 26ª edição do encontro, dezenas de empresários foram recepcionados por Heverson Feliciano, gerente do Sebrae de Londrina, que destacou a importância do trabalho do grupo, “que é viver o papel de empreendedor cívico, aquele que pensa no futuro do setor e em questões referentes a desenvolvimento das empresas e de todo o estado”.

 Em seguida, o consultor George Baum iniciou o trabalho de revisão do planejamento estratégico. Ele explica que “os empresários aproveitaram para rever metas, objetivos já para 2016. Foi feita uma espécie de contrato psicológico entre os participantes para que cada um tenha bem definidas suas responsabilidades dentro da rede”.

O objetivo é garantir que os APLs possam atuar de forma integrada para o fortalecimento da economia estadual, com maior visibilidade e interação com instituições de ensino e outras entidades empresariais e representativas da sociedade.

Luís Carlos Albuquerque Silva, líder do APL de TIC de Londrina, que organizou o encontro, destacou o fato de haver um grande envolvimento dos Arraanjos, do Sebrae e da Assespro para repensar o modelo. “Em 2015, Londrina começou a alinhar o planejamento do APL com o da rede. Já temos uma forte aderência com instituições de ensino e entidades empresariais da região”, comemora.

Emerson Cechin, coordenador estadual do Programa de TI do Sebrae Paraná, elogiou o esforço dos empresários. “Houve uma discussão importante sobre a proposta de valor que a rede tem para o estado. Isso faz com que os envolvidos tenham clareza de qual é o principal objetivo para que os esforços passem a ser direcionados a facilitar a entrega de resultados”, conclui Emerson.

O presidente da Assespro-Paraná explica que o planejamento, feito, há dois anos, foi refatorado para ser observada a vontade do grupo, de acordo com mudanças de lideranças e de cenários.”O planejamento não deve ser algo tão duro, que não possa ser mexido.. “É importante observar as demandas regionais para que o estado inteiro cresça. Foram renovados compromissos. A gente discute os problemas, mas todos saem daqui unidos, fortalecendo a imagem do Paraná como a de um estado de forte base tecnológica”, explica Sandro Molés da Silva.

Matéria também foi veiculado na Revista Nacional de Tecnologia da Informação – RNTI, em 26/04/2016.